FANDOM


O Parlamento é uma organização criada pelo então presidente Gabriel Kochenborger com o objetivo de dar assistência ao comitê e criar novas coisas ao grupo. Eventualmente o Parlamento se tornou um instrumento de luta social, aliando-se ao PPK e depois ao PUTO, com o objetivo de atenuar as diferenças entre os jogadores.

Criação Editar

O parlamento foi criado pelo presidente Gabriel Kochenborger (vulgo ditador fascista Marmota) e os membros do comitê em 2016 logo após assumir em seu mandato como presidente. Os primeiros membros eleitos foram Marco Gavião (que se tornou o presidente), Emerson Filho, Thierry Lacerda Martins, Paulo Egidio e traidor Ícaro Oliveira (todos tirando Ícaro hoje são membros do PUTO).

O parlamento foi criado com a intenção de criar novas ideias ao grupo, mesmo que inicialmente elas tivessem desagradado o governo.

Primeiros passos e a intervenção do comitê Editar

A primeira invenção do parlamento foi a Xampions Liga, uma competição de FIFA aos moldes do Brasfoot, criada por Marco para entreter os membros do grupo enquanto não havia Gartic.

Sem título-0

No inicio ele apoiava, depois vimos a sua verdadeira face

A competição foi vencida pelo também fascista Raffael Oliveira foi um sucesso.

Mas depois, Marco notou que vários membros eram inativos no grupo, o que desagradava Marco, que sugeriu ao Parlamento a criação de um tribunal, para conversar com os membros e decidir seu futuro no grupo. A ideia foi de certa forma bem recebida pelos membros do Parlamento, principalmente o presidente, que sugeriu que o próprio deveria fazer uma enquete perguntando sobre o futuro de um membro que não terá seu nome revelado, inclusive falando que não gostava do membro, mas quando Marco fez a enquete, o presidente manifestou uma opinião completamente contrária a que havia tido no chat, gerando um grande conflito e jogando o grupo contra o Parlamento, o qual Marmota e Raffael admitiram publicamente ter antipatia. Apos algumas negociações, os membros do comitê entraram no Parlamento, com o pretexto de vigiar e silenciar nossas ações integrar os dois grupos.

Criação do PPK Editar

Com a insatisfação da administração fascista e excludente do Comitê, Marco junto com o amigo e membro do Parlamento Thierry decidem criar o PPK (Partido Parlamentar K....), com ampla aceitação do Parlamento tirando o traidor desgraçado do Ícaro. O partido tem como objetivo trazer a representatividade ao grupo e descentralizar o poder das mãos do Comitê fascista, já realizando ações afirmativas e preparando a candidatura de seus criadores a presidência.

O PPK acabou perdendo a presidência, numa eleição apertada de 13 votos a 11, o que agravou um membro do partido não ter votado, mas mesmo assim conseguiu algumas cadeiras no governo, nas quais conseguiram exercer algumas ideias.

Fim do PPK e Criação do PUTO Editar

Puto

Logo do PUTO (Partido da União Trabalhista Operária)

Em 2018, as tensões politicas e todo o resto acabaram diminuindo, o que tornou a luta social do PPK meio desnecessária, alem que a postura radical do partido afastava alguns. Isso motivou a criação do PUTO (Partido da União Trabalhista Operária), que apesar do nome, é menos radical do que o PPK, apresentando um desejo de diálogo com o Comitê e o Marmotismo.